Aluguel de bolsas de luxo cresce no mercado consumidor

0
1900

Quem assistiu ao filme “Sex and the City” vai lembrar que a assistente de Carrie (Sarah Jessica Parker) chega à entrevista de emprego com uma bolsa Louis Vuitton alugada. O tempo passou e essa moda pegou: o comportamento voltado ao consumo consciente influenciou o interesse e a criação de serviços de aluguel de produtos de luxo no ambiente virtual.

“A receita e o número de transações com alugueis vem crescendo a uma taxa de 15% a 20% ao mês nos últimos seis meses”, afirma Isabel Braga, 35 anos, fundadora do BoBags, site de aluguel e venda de bolsas de luxo. “A nossa previsão é de dobrar faturamento em relação a 2015”, diz.

O projeto começou em 2009 como um blog para que amigas compartilhassem peças de interesse comum. Isabel fazia a mediação e explicava o conceito de “closet virtual”. Em 2013, ela teve a ideia de transformar em e-commerce e hoje é possível alugar uma peça por 3, 7 ou 30 dias (ou renovar por mais tempo) –e ainda comprar por um preço inferior ao das lojas. As peças são enviadas via Correios para todo o Brasil.

“Tem gente que aluga uma bolsa por mês e entrou na onda de não ter muitas coisas em casa”, afirma Isabel. Famosos e pessoas que precisam variar o look também recorrem ao serviço. Desde março deste ano, a empreendedora afirma que dobrou o número de interessados em vender bolsas usadas.

A renda, em alguns casos, acaba indo para pagar a faculdade, bancar viagens ou até mesmo adquirir outros itens de luxo. As marcas mais procuradas são Chanel e Louis Vuitton. Quem quiser um produto que estiver alugado pode pedir para ser avisada por e-mail quando ficar disponível.

Juliana Lucki, de 35 anos, percebeu há cinco uma oportunidade para comércio de peças usadas com foco em grifes e criou, então, o Troca de Luxo, site voltado para a venda de artigos de luxo seminovos. Sua inspiração foram os brechós dos Estados Unidos e da Europa. “A crise ajudou o meu negócio, pois as pessoas tinham peças incríveis no armário e passaram a vender para ganhar dinheiro”, afirma.

fonte uol‎

Deixe uma resposta