quibe está entre os salgados mais queridos do dia-a-dia, parceiro praticamente inseparável das esfihas na hora de um lanche mais rápido no balcão da lanchonete ou na casa de comida árabe de sua preferência. Mas, por detrás da aparência simples, o salgado esconde variações e histórias bem interessantes.

Um prato bem popular.

Quibe vem do árabe “kibbeh” ou “kubbah”, que significa “bola”. Nós o conhecemos por causa da imigração sírio-libanesa – o prato é bem pooular nos dois países, assim como em locais como Jordânia, Egito (onde ele atende por koubeiba.

Do outro lado do mar, não são só os brasileiros que curtem um bom quibe: domenicanos, argentinos e mexicanos, que também receberam imigrantes libaneses em seus países, convivem com os “quipes” ou “kibis” em seus menus.

Carne de boi? Não, nem sempre

O quibe brasileiro é feito à base de carne bovina, mas o prato, originalmente, é feito com cordeiro. Existem outras combinações mais exóticas ao paladar brasileiro, como quibe de camelo ou de cabra.Algumas regiões litorâneas do Líbano – em especial a cidade de Trípoli – tem uma versão à base de peixe.

Frito, assado, cru…e na sopa

O “kibbeh” pode ser preparado de várias formas: assado na forma, frito, cozido em coalhada (kibbeh labanieh) ou mesmo cru, servido com folhas de hortelã, cebola crua e azeite. Mas há outras formas de preparo regionais, como o Kubba Halab, uma receita síria que mistura uma casca de bolinho de arroz com recheio de quibe.

Com que carne eu vou (ou não vou)

atinho é o corte de carne por excelência para preparar quibes, sejam eles assados, crus ou fritos. Moer a carne duas vezes garante um bolinho mais coeso. Para uma versão vegetariana, não precisa apelar necessariamente para a proteína de soja (embora ela seja uma ótima opção): abóbora também faz bonito na hora de preparar.

Preste atenção no trigo
Depois da carne, o trigo é o segundo ingrediente mais importante de um bom quibe. Tambem chamado de triguilho ou bulgur, ele precisa ser hidratado antes do preparo e espremido antes de ser acrescentado à massa de carne. A proporção de carne e trigo varia de acordo com a receita – e com o cozinheiro – mas em geral costuma-se usar meia porção de trigo para uma porção de carne.

Deixe uma resposta